| PT | 
Ir para:    página inicial    |    conteúdo página    |    pesquisa 

A gestão da água de rega

01/05/2006

Frederico Avillez e Onno Schaap

Tecnologias de Informação ao serviço da gestão da rega

Com o desenvolvimento das tecnologias de rega, a realidade dos sistemas de produção de regadio têm sofrido grandes alterações. Actualmente existem muitas possibilidades de controlo da utilização de factores de produção como a água, a energia, os adubos, os pesticidas e o tempo.

Uma eficiente gestão da água, permite não só significativas economias nos orçamentos das culturas de regadio, mas também, um controlo efectivo sobre a qualidade dos produtos, que podem ter evidentes reflexos nos rendimentos da exploração.

Um exemplo actual do que se apresenta é o sector do vinho e da vinha. Na última década pudemos constatar uma evidente mudança da atitude dos produtores vitivinícolas no sentido de melhorar a qualidade dos vinhos o que originou investimentos significativos na modernização das adegas. Hoje em dia a atenção dos produtores orienta-se para a melhoria da condução das vinhas: já dizia o ditado "Sem boas uvas, não há bom vinho".

A rega da vinha é um factor determinante na quantidade e qualidade da produção de vinho, pelo que a gestão da água de rega tem de ser feita de uma forma racional. É fácil demonstrar que a água é um factor de produção critico. Quantas vezes não se verifica que quando um vitivinicultor diz que o ano foi bom é porque o nível de humidade no solo foi bom, e num ano de pior produção verificou-se que os mesmos níveis de humidade não foram satisfatórios. A rega permite a correcção da humidade no solo, o que pode ser determinante na manutenção da qualidade/quantidade da produção em condições climáticas/meteorológicas adversas.

A gestão da água baseia-se num ciclo com quatro fases distintas: Planeamento; Implementação; Monitorização; Avaliação.

Na primeira fase - Planeamento - é necessário fazer a caracterização do local, dos solos, da performance do sistema de rega, são identificadas as culturas, variedades e outras especificações, e definem-se os objectivos de qualidade e quantidade para elaborar a estratégia e o plano de rega.

Entre outros pretende-se determinar:

  • Qual a capacidade de retenção de água do solo, de forma a permitir uma gestão eficaz da água;
  • Qual o sistema de rega que melhor se adapta ás suas necessidades, evitando gastos desnecessários;
  • Qual a programação de rega mais adequada tendo em vista os seus objectivos culturais, minimizando os custos de operação;
  • Qual a correcta localização do equipamento de monitorização do teor de humidade do solo.

Este plano de rega vai ser a referência para a programação da rega ao longo da campanha.

O levantamento das características do solo ainda orienta, um bom profissional, para outros aspectos do planeamento e gestão da exploração agrícola.

Na fase de Implementação é necessário obter dados de Evapotranspiração e precipitação da zona e dados de sondas capacitivas, para se poder aferir qual a quantidade de água realmente utilizada pelo sistema solo/planta. Em função da estratégia definida, esta água deverá ser reposta com maior ou menor frequência e em maior ou menor quantidade, ou seja, definir-se quando e quanto regar.

Durante a fase de aplicação da água, é fundamental monitorizar a performance da rega em função dos objectivos pretendidos: quantidade de água que ficou disponível para a planta, profundidade atingida, escorrimentos, uniformidade da aplicação, etc. Nesta fase é essencial a existência de um sistema de monitorização de água no solo. Nesta fase é necessário fazer vistorias regulares para avaliar o estado da cultura no campo, usando as tecnologias de informação adequada ao registo das observações de campo, de modo a monitorizar de perto o desenvolvimento de sinais de stress hídrico, em diferentes estados fenológicos da vinha.

A Avaliação dos dados da monitorização e da viticultura serve para propor medidas correctivas a integrar na fase de planeamento, fechando o ciclo de gestão de rega. A avaliação é feita durante e após a campanha, para poder melhorar o plano de gestão de água de rega para a próxima época.

Recolha de Informação

Como qualquer outro processo de gestão, a gestão da água de rega está dependente da recolha sistemática de informação e da sua análise. É este processo que permite apoiar o decisor nas suas tomadas de decisão, quer as de acção mais imediatas - controlo, quer as de consequências mais a médio/longo prazo - planeamento.

As novas tecnologias de informação vieram revolucionar estes processos de interacção com a informação. A utilização de sistemas de base de dados em banais computadores pessoais permitem a análise instantânea da informação, revolucionando os níveis de eficiência de alguns dos processos de gestão, mas ainda não resolvem o problema da recolha e processamento da informação.

As novas tecnologias trazem-nos também ferramentas de apoio na recolha e processamento de informação para a gestão da água de rega. Instrumentos como as estações agro-meteorológicas, sondas portáteis ou fixas para monitorização do teor de humidade do solo permitem não só recolher dados no campo mas também já podem enviar os dados recolhidos via rádio (GPRS/GSM - a tecnologia dos vulgares telemóveis) para uma base de dados central baseada na Internet. Neste caso o utilizador não necessita de ter software instalado no seu computador, basta ter acesso à Internet, aonde estão alojadas às aplicações de gestão de rega e avisos de doenças das plantas em tempo real. É até possível, para quem tem um PDA com acesso Internet, aceder aos dados em qualquer momento e a partir de qualquer sítio, mesmo no campo.

EnviroscanPLUS (TecnologiaGPRS)

Estação agro-meteorológica, Imetros (tecnologia GPRS)

Modelo de aviso de doenças

Software Irrimax 6.1

Outro tipo de soluções para apoio na recolha e processamento de informação, baseia-se na utilização dos, hoje bastante vulgares, computadores de bolso ou assistentes pessoais digitais (vulgo PDA's). É possível desenvolver pequenas aplicações para correrem em PDA, que permitem recolher no campo informações detalhadas, como por exemplo o nível de stress hídrico apresentado pela planta, e depois automaticamente centralizar essa informação na base de dados central, sem os habituais custos de processamento.

Conscientes das crescentes necessidades no sector, as empresas AQUAGRI ACE e FZ AGROGESTÃO juntaram-se numa parceria para desenvolver uma solução integrada de apoio à gestão da água de rega.

Nesta solução todos os dados de campo são registados no próprio local da observação pelo técnico especialista. Esta proximidade entre a observação do facto e o registo do mesmo e a ausência de terceiros no processo garante a melhor qualidade possível dos dados. A informação é posteriormente transferida de forma automática para um computador pessoal onde o mesmo técnico a pode conferir, validar e produzir relatórios sintéticos de apoio às decisões de rega.

A banalização, e a consequente diminuição dos preços, dos equipamentos de recolha de informação portáteis, das tecnologias de comunicação por rádio (GSM e GPRS), dos computadores pessoais e dos sistemas informáticos de gestão é frequentemente notória e tal facto não pode ser ignorado pelo moderno empresário agrícola.

Informação recolhida é transferida automáticamente para um computador pessoal.

 

 

Voltar