| PT | 
Ir para:    página inicial    |    conteúdo página    |    pesquisa 

Modernizar a gestão dos agricultores

24/06/1999

Frederico Avilez e José Salema desenvolveram um programa informático de contabilidade de gestão adaptado à agricultura. Venderam 50 unidades e «o potencial de crescimento do negócio é enorme».


O Agro.Gestão é, acima de tudo, um serviço prestado aos agricultores.

Frederico Avilez e José Pedro Salema conheceram-se no Instituto Superior de Agronomia, onde ambos terminaram o curso com especialização em Economia Agrária. Terminada a licenciatura, os dois empreendedores, com 23 anos, foram estagiar para a Agroges, uma empresa de consultadoria agrícola. Foi desde aí que ambos avançaram para o seu próprio negócio. Frederico Avilez refere que «a Agroges estava a pensar desenvolver software para a gestão de empresas agrícolas e nós pegamos nesse trabalho e assumimos esse projecto dentro da empresa. Quando ficámos com o produto pronto a comercializar, decidimos que o ideal seria desligarmo-nos da Agroges, passando a um negócio independente, ideia que foi acolhida pelos sócios da Agroges. Como refere José Pedro Salema, «foi basicamente um "spin off'». Foi criada a Agro.Gestão, com Frederico Avilez e José Pedro Salema a deterem 30% cada da empresa, com os restantes 40% a pertencerem à Agroges. O investimento inicial não foi significativo, pois a empresa é formada apenas pelos dois empreendedores, a maior fatia destinou-se à aquisição de equipamento informático. Mais tarde a Agro.Gestão concorreu ao SAJE (Sistema de Apoio aos Jovens Empresários), hoje suspenso - «na altura era o melhor sistema» -, com os dois sócios ainda à espera da aprovação da Comissão Nacional, já ultrapassada a avaliação técnica.

O Agro.Gestão é um «programa de contabilidade de gestão pensado para a realidade agrícola», refere Frederico Avilez. Concluído o software, o «programa começou a desenvolver valências noutras áreas, administrativo, tesouraria e apoio técnico que os agricultores nos começaram a identificar», adianta o mesmo responsável. Os dois empreendedores acreditaram neste negócio por constatarem que «as empresas agrícolas estão em processo de reestruturação, havendo necessidade de fazer uma adaptação ao aumento de produtividade, este negócio tem tendência a crescer».

Os dois sócios apontam para a dificuldade de o empresário ter «uma aversão inicial a uma nova tecnologia, mas passado esse obstáculo a adaptação torna-se rápida». Na verdade, «a receptividade é grande quando os empresários constatam as capacidades que o programa tem», afirma Frederico Avilez. O produto é vendido em diversos suportes, disquete ou CD-ROM. Associado ao Agro.Gestão está todo um serviço, que vai da formação dos agricultores à adaptação do programa à realidade de cada exploração agrícola. Aliás, os dois empreendedores sublinham a ideia de que «mais que um produto, o Agro.Gestão é um serviço; quando o agricultor compra o programa, nós vamos à sua casa, ouvimos sugestões, esclarecemos todas as dúvidas e, em muitos casos, tratamos nós a informação dada pelos clientes utilizando como base o Agro.Gestão». Os principais clientes são os jovens agricultores, estando a maioria dos 24 mil potenciais clientes identificados pela empresa localizados nas regiões do Alentejo e Ribatejo.

O produto está a ter sucesso. Embora não seja algo que se venda facilmente, «no primeiro ano os objectivos foram cumpridos, no segundo contamos cumprir o que delineámos». A empresa vendeu até ao momento 50 programas, a um preço de 1.496 euros (300 contos) a unidade. O objectivo dos empresários aponta para uma facturação na ordem dos 99.760 euros (20 mil contos). As ambições dos dois sócios passam pelo contínuo desenvolvimento do Agro.Gestão e pelo aumento dos serviços associados ao programa. A área da formação é uma das principais apostas, por permitir manter a «proximidade com as pessoas que vão trabalhar no programa». A internacionalização é uma possibilidade, «talvez da venda do programa em Espanha através de um agente local», refere José Pedro Salema. De resto, o Agro.Gestão já foi comprado por um agricultor argentino e tem potenciais interessados em Angola. RSM

 

 

Voltar