| PT | 
Ir para:    página inicial    |    conteúdo página    |    pesquisa 

Curso de Gestão - O preço a atribir a cada factor - Método de valorização

30/10/2008

Cá estou eu, o Vítor pela última vez este ano. Após três artigos em que descrevi as minhas conversas com o meu pai e a minha tia sobre a melhor maneira de organizarem os resultados das actividades de cada um, termino aqui com os últimos passos do cálculo do custo unitário das maçãs que a minha tia produz. Primeiro foi necessário estabelecer como valorizar os consumíveis a afectar a cada actividade e depois saber como lidar com os subprodutos do pomar:

- Ó Vítor, ainda me resta uma dúvida... É que agora eu consigo calcular bem o custo total da uva e da azeitona (ver artigos anteriores), porque são os únicos produtos das vinha e do olival, mas estou com dificuldade em calcular o preço da maçã! É que eu obtenho também maçã que é vendida para indústria que, como deves saber, é demasiado pequena e está em más condições sanitárias. Ainda são 156 560 kg, mas que só me são pagos a 0,04 EUR. Não me interessa nada que essa maçã seja contabilizada no total da produção, para cálculo do custo da maçã. Eu quero é saber quanto é que me custa a maçã boa!

- Então e quanto é que produziu de maçã para consumo em fresco?

- Produzi 343 440 kg, com o valor de 72 122 Euros.

- Estamos perante um caso de existência de subprodutos, e temos que arranjar aí um esquema para arranjar um custo para a maçã. Mas antes do mais, diga-me uma coisa: usa o mesmo herbicida em todas as culturas!

- Uso sim, porquê não devia?

- Esteja descansada, não se trata de um problema técnico. Também não a poderia ajudar muito por aí. Para isso, melhor é consultar a associação de agricultores. Só gostava que me explicasse como é que calcula o valor em herbicida para cada actividade.

- Então, mas isso é obvio! À medida que o vou comprando ele vai sendo gasto... Por isso vejo quanto é que custou o herbicida que comprei para cada cultura. Ou seja, vejo qual é o preço unitário de cada compra:

 

- ... depois, como sei quais são as datas e as quantidades da aplicação:

- ... sei qual foi o preço do herbicida que utilizei em cada aplicação:

... e por fim, somo as aplicações:

- Era o que eu desconfiava. Está a utilizar um método de valorização chamado First in First Out (FIFO). Vamos ver o que acontece se utilizarmos o custo médio. Vai ver que da próxima vez poupa nos cálculos e ainda ganha nos resultados!

Resolução

- Quando pensamos que já está tudo visto, há sempre mais uma hipótese, mesmo naquilo que é óbvio!!!

- Então vamos começar pelo custo do herbicida para cada cultura. Se somar o valor das facturas todas e dividir pela quantidade total comprada fica com o preço médio:

- Realmente é incrivelmente simples! Mas não dá o mesmo valor!

- Pois não, mas se tia reparar, ao utilizar o método que utilizou, o FIFO, estava a responsabilizar as culturas pela ocasião de cada compra e pelas variações do preço do factor em causa. Ao utilizar o preço médio, as culturas remuneram todas o factor ao mesmo preço, não sendo nenhuma beneficiada ou prejudicada pela altura em que a tia resolveu adquirir o seu herbicida...

 

QUANTO CUSTAM AS MINHAS MAÇÃS – PRODUÇÃO CONJUNTA

- Está bem visto, sim senhor! Então e agora as maçãs de indústria, o que é que eu lhes faço?

- No caso do pomar estamos num caso de produção conjunta. Quando há produções conjuntas podemos ter co-produtos – produtos obtidos por um determinado processo têm uma importância semelhante -, subprodutos – que é o caso da maçã de indústria - , ou resíduos – em que a remoção ou tratamento do produto implica um custo adicional sem receitas correspondentes.

- Mas, ò Zé Manuel, e em que é que isso me ajuda?

Resolução

- É que dependendo do tipo de produto secundário teremos de utilizar uma técnica de cálculo diferente. Neste caso, em que a maçã para indústria tem um valor claramente inferior ao da maçã para consumo fresco, vamos dizer que o subproduto custou tanto a produzir quanto o seu valor de mercado.

- Nesse caso, o custo de produção da maçã para consumo em fresco será o custo total, deduzido do proveito relativo à maçã para indústria.

- Isso mesmo, o preço da maçã será por isso calculado assim:

- Muito obrigada.

- De nada. Só mais uma coisa! Embora eu compreenda que o custo unitário seja importante para si, para estabelecer metas e objectivos, face ao mercado, não se esqueça que a análise do orçamento e contas de actividade e dos indicadores de rendimento -margem bruta e margem de contribuição - são imprescindíveis para localizar os pontos fortes e fracos das actividades e para ter uma perspectiva de longo prazo.

- Muito bem!

E pronto, ao longo dos quatro artigos :

1- discuti como atribuir custos de equipamentos – factores de produção com custos fixos e custos variáveis – a actividades utilizando um custeio racional;

2- mostrei como utilizar chaves de imputação para distribuir custos por actividades agrícolas;

3- defini os conceitos de margem bruta, margem de contribuição e resultado da exploração, explicando o significado de cada um;

4 - mostrei como é útil definir, por um esquema, o método contabilístico utilizado para que se saiba quais os custos e proveitos afectados a cada centro e se compreenda o significado dos resultados que forem obtidos através cós cálculos que efectuarmos;

5 – atribui um preço de transferência às produções obtidas em actividades sem produtos para venda e demonstrei as consequências da escolha do preço ao nível do cálculo do valor acrescentado das actividades;

6- calculei o valor da unidade de  consumíveis utilizados por diversas actividades;

7- mostrei como calcular custos unitários de produção em actividades com mais de um produto.

Julgo ter ajudado o meu pai e a minha tia ao longo deste processo e espero que após a leitura dos artigos que escrevi o leitor também consiga aplicar os conhecimentos que aqui introduzi à sua exploração. Alguns processos são trabalhosos e até mesmo discutíveis, mas utilizados com bom senso e sentido prático são todos de extrema utilidade para que se compreenda a realidade das explorações agrícolas. Permitem identificar pontos fracos e formas de o corrigir. Desejo a todos um BOM TRABALHO E ÓPTIMAS DECISÕES!

 

 

Adaptado de um projecto desenvolvido com o apoio do Programa AGRO

 


 

 

 

 

Voltar