| PT | 
Ir para:    página inicial    |    conteúdo página    |    pesquisa 

Fórum Gestão Agrícola junta associações

[ 29/05/2012 ]

Centena e meia de responsáveis associativos estiveram reunidos em Cascais no dia 25 Maio 2012 para debater desafios do sector e perceber como podem ajudar melhor as empresas. Aqui fica um pequeno resumo deste encontro.

 Fórum Gestão Agrícola - Oradores manhã


Francisco Avillez é professor Emérito do Instituto Superior Agronomia, sócio fundador e coordenador científico da AGROGES e conta com um vasto currículo nas áreas da análise e planeamento de projectos, do desenvolvimento agrícola e da política agrícola comum. É actualmente o coordenador do grupo de peritos para a reforma da PAC pós-2013.

O professor veio ao Fórum explicar a evolução dos rendimentos e competitividade agrícolas desde a adesão de Portugal à CEE até ao presente e de como estes poderiam ter sido substancialmente aumentados se tivesse sido feito uma utilização mais eficiente dos factores de produção. A sua apresentação veio dar a tónica a este encontro da preocupação com a eficiência.

 

João Coimbra é agricultor e empresário agrícola com participação activa no mundo associativo. Este autor do blog “o milho amarelo” recusa o título que algumas pessoas lhe atribuem de “melhor produtor de milho do mundo” mas é seguramente muito preocupado e atento às questões da eficiência e da produtividade.

A paixão pelo detalhe, pela eficiência e rigor da gestão de João Coimbra prendeu e cativou a audiência. Os 20 anos de experiência na cultura do milho na lezíria do Tejo trazem muitas estórias didáticas de como é possível fazer sempre mais e melhor!


Frederico Avillez, sócio-gerente da AGROGESTÃO, mostrou a importância da organização da informação para facilitar a decisão. A sub-utilização do parque de máquinas não deve ser imputada às actividades produtivas. Tal contabilização, para além de deteriorar a qualidade dos resultados apurados das actividades, adiam a tomada de decisões pelo gestor sobre o verdadeiro problema - a questão do sobre-dimensionamento do parque de máquinas e outros aspectos estruturais.


José Pedro Salema, sócio-gerente da AGROGESTÃO,  apresentou a plataforma de gestão comparativa agrogestao.net e como esta representa uma excelente oportunidade para as associações e organizações de produtores. É que para conseguir a aderência à realidade e relevância na comparação é fundamental que os participantes sejam agrupados em grupos com relativa homogeneidade. A gestão comparativa é a ferramenta de eleição para a excelência e o sucesso e aquela plataforma online tem funcionalidades muito potentes o alcançar.

 

Luís Mira da Silva é professor no Instituto Superior Agronomia onde também é vice-presidente. É ainda presidente da INOVISA – a associação que visa promover a ligação entre o meio empresarial e a universidade focada no empreendedorismo e na inovação e também sócio da empresa Consulai.

O professor veio exortar as empresas e organizações do sector à inovação, ao empreendorismo e à exportação. Explicou ainda o projecto que a INOVISA tem em curso que visa identificar as melhores práticas de inovação e exportação das empresas agro-alimentares e de como essas práticas estão relacionadas com os resultados económicos.

 

Fórum Gestão Agrícola - Oradores tarde

 

Pedro Loio é um formador experimentado em diversas entidades públicas e privadas nas áreas da pedagogia, da liderança, da estratégia e da motivação. Foi inspector e formador de investigação criminal na Polícia Judiciária mas mas também conta no seu curriculo com um curso superior na área agrícola.

A gestão da carteira de competências - a afectação da pessoa certa para a função certa - é uma competência crucial para todos os gestores. Através de muitas estórias hilariantes, Pedro Loio sublinhou que o «Homem é a medida de todas as coisas» e a gestão de recursos humanos, com todas as suas idiossincrasias, é obrigatória para o sucesso.


Pedro Serrano é actualmente assessor do Secretário de Estado da Agricultura. Engenheiro agrónomo com 13 anos de experiência como consultor e gestor de projectos é especializado em economia e política agrícola, análise de investimentos e desenvolvimento rural.

Com uma apresentação estruturada dos instrumentos de gestão do risco Pedro Serrano trouxe boas notícias para as organizações de produtores que agora vão poder afectar até 30% do orçamento do seu «fundo operacional» em seguros de colheita no âmbito das medidas de prevenção e gestão de crises . Também para a PAC pós-2013 estão previstos fundos mutualistas (geridos por organizações de produtores), para além dos seguros de colheita e instrumentos de estabilização de rendimento.


Rodrigo Vinagre é um agricultor experimentado da lezíria ribatejana. É também director da Torriba há seis anos e tem vindo a acompanhar todo o seu processo de desenvolvimento como organização de produtores.

A Torriba foi fundada em 1997 com a produção de tomate para indústria e tem vindo a crescer e diversificar muito os seus produtos e canais de comercialização. Hoje a Torriba conta com uma marca própria, com grandes grupos multinacionais como clientes e presença dos seus frescos em toda a grande distribuição nacional. A atenção às necessidades do cliente, a inovação constante de todos os sócios,  a rede de parceiros e a gestão profissional parecem ser a receita do sucesso desta organização de produtores.


Rosária Jorge é economista com 16 anos de experiência em multinacionais de grande consumo e farmacêuticas nas áreas de marketing, vendas e gestão. Hoje é sócia da Oak&George – consultores de marketing - mas como directora de marketing da Danone foi responsável pelo lançamento dos iogurtes com fruta certificada DOP e IGP "Puro Danone Pedaços".

Em muitos produtos, como o vinho e o azeite, existe um panorama de grande competitividade onde reina a diferenciação. Rosária Jorge veio explicar como «a união do rebanho obriga o leão a deitar-se com fome», isto é, como a criação de marcas agregadoras (ou marcas-chapéu) pode reforçar as marcas individuais.


José Diogo Albuquerque, Secretário de Estado da Agrícultura, a título de conclusão, apresentou as principais linhas orientadoras preconizadas pelo governo para os próximos anos. Destaca-se a importância que conferem ao trabalho das organizações de produtores, no sentido de permitir ganhos de eficiência em diferentes vertentes.


Consulte as apresentações disponíveis

Fotografias do evento

Filmes com excertos iniciais das apresentações

 

 

Voltar