| PT | 
Ir para:    página inicial    |    conteúdo página    |    pesquisa 

Quinta do Vallado solidária

[ 04/09/2009 ]

A Quinta do Vallado [Cliente de referência ENOGESTÃO] doou 18 mil euros à Associação Via Nova, através do projecto "Adelaide".

Este projecto pretende dar continuidade à obra de solidariedade de Dona Antónia Adelaide Ferreira - a "Ferreirinha da Régua".
Os responsáveis pela Quinta do Vallado, Francisco Ferreira e João Álvares Ribeiro, são tetranetos de Dona Antónia, que viveu no século XIX e historicamente ficou conhecida como a "Ferreirinha", tendo dedicado a sua vida à cultura da vinha e à produção de vinho, no Douro.

Apesar de liderar os negócios com "mão de ferro", Dona Antónia era também conhecida como a "mãe dos pobres" pela ajuda que lhes proporcionava e por, entre outros feitos, ter mandado construir o Hospital da Régua.

Foi para dar continuidade à sua obra, que a Quinta do Vallado, segundo João Álvares Ribeiro, lançou o projecto "Adelaide", que envolve 100 personalidades portuguesas e cujas receitas revertem a favor de uma instituição de solidariedade social, cada garrafa deste vinho foi vendida a 90 euros.

João Álvares Ribeiro considera que o Adelaide nasceu para ser um "dos melhores vinhos nacionais", que "só será produzido em anos em que as condições sejam excelentes".

O vinho é produzido a partir das vinhas mais antigas da Quinta, onde estão plantadas mais de 40 castas diferentes. Segundo os enólogos, é um vinho único, de enorme concentração, complexidade e elegância, é produzido numa parcela de vinha com 1,5 hectares e uma reduzida produtividade de 300 gramas de uvas por planta, o que faz dele uma raridade.

João Álvares Ribeiro salientou ainda, que, sempre que o Adelaide volte a ser produzido, a Quinta do Vallado voltará a repetir esta iniciativa, junto do mesmo grupo de personalidades.

A Associação Via Nova, uma instituição de Vila Real destinada a acolher crianças e adolescentes abandonados e em risco, foi a primeira beneficiária deste projecto.

Esta instituição exerce a sua actividade em instalações provisórias, tentando proporcionar aos cerca de 20 rapazes, dos 9 aos 22 anos, que tem a seu cargo, melhores condições de vida, visando a sua inserção na sociedade
Já com terreno cedido pela Câmara de Vila Real, a grande ambição da associação é construir uma sede de raiz "mais adequada e própria para minimizar despesas e alargar o campo de apoio social".

 

 

Voltar